URGENTE

CONDENADO

Rio Brilhante: Falso policial é condenado a pagar R$ 40 mil à vítima de estupro

Em 2019, Rodrigo foi preso por aplicar uma série de golpes se passando como policial da delegacia da cidade.

Publicados
















Foto Arquivo Site Rio Brilhante em Tempo Real / Olimar Gamarra

Preso desde julho de 2019 por fingir ser policial e aplicar golpe em Rio Brilhante – cidade a 163 quilômetros de Campo Grande – Rodrigo Modesto de Almeida, de 37 anos, foi condenado pelo estupro de uma adolescente de 13 anos. Além de cumprir nove anos de pena, ele pagará R$ 40 mil de indenização à vítima.

O caso aconteceu em setembro de 2020. Consta na denúncia do Ministério Público, que Rodrigo seguiu a vítima até em casa, após flagrar ela e o namorado dentro de carro em um terreno baldio da cidade. Se apresentando como segurança, ele mandou o casal sair do local e depois acompanhou a jovem de longe.

Depois que o namorado deixou a vítima sozinha, o suspeito a chamou no portão. A menina atendeu e começou a ser ameaçada. Rodrigo revelou que havia fotografado a jovem nua no carro e que divulgaria as imagens nas redes socais, caso não entrasse no carro com ele. Ele chegou a afirmar que chamaria os pais dela para mostrar as fotos, caso não obedecesse.

Leia Também:  GRAÇAS A REPASSE EXTRA DA PREFEITURA MUNICIPAL, HOSPITAL DE RIO BRILHANTE PAGA DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO DE SERVIDORES

Sem ter saída, a adolescente entrou no veículo. Dentro do carro, a adolescente foi estuprada por Rodrigo. Na quarta-feira (5), o homem foi julgado pelo crime e condenado a nove anos e quatro meses de reclusão, em regime fechado, sem direito de recorrer em liberdade.

Além da pena, foi determinado o pagamento de indenização para a vítima de R$ 40 mil. Não é primeira vez que Rodrigo responde a Justiça por crime de estupro, o primeiro foi registrado Rondônia. Além disso, quando foi preso em 2019, foi flagrado com fotos e vídeos de uma adolescente, de apenas 13 anos, nua.

Golpes – Em 2019, Rodrigo foi preso por aplicar uma série de golpes se passando como policial. A partir de um perfil falso no Facebook, ele se identificava como uma mulher e adicionava outros homens a quem pedia que enviassem fotos íntimas pela rede social.

Na sequência, ele entrava em contato com os rapazes, se passando por policial e dizendo que havia uma denúncia na delegacia sobre assédio sexual contra eles, devido as fotos enviadas. Para que a suposta denúncia não fosse registrada, o homem exigia dinheiro.

Leia Também:  Nova Alvorada do Sul: Veículo que seguia com maconha para São Paulo foi apreendido pelo DOF durante a Operação Hórus

Com os golpes, Rodrigo conseguiu cerca R$ 10 mil das vítimas. A princípio, não foi confirmado que o acusado tem mesmo envolvimento com o tráfico de drogas. Contudo, o mandado de prisão por estupro foi cumprido e ele também deve responder por estelionato e por armazenar material infantil pornográfico.

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MAIS LIDAS DA SEMANA