URGENTE

Família Rafaat pede proteção e diz não acreditar que “amigo” seja mandante do crime

Publicados
















A família solicita que o governo garanta sua segurança, assim como a de suas empresas e pede paz e fim de “derramamento de sangue”.

Por: Dourados News / Rio Brilhante em Tempo Real
wmX-600x400x4-5768407c579b93fcdabae6fb60c12080e1497e8621cd7

Foto : Divulgação

Nesta segunda-feira (20), um comunicado da família Rafaat foi divulgado e no texto há a afirmação de que os parentes não acreditam na ligação de Jarvis Pavão com a execução de Jorge Toumani Rafaat – fato que vem sendo divulgado na mídia – , já que os dois, segundo comunicado, seriam amigos.

No comunicado que foi divulgado pela imprensa paraguaia classifica a vítima como empresário e fazendeiro e “sem problemas com a justiça paraguaia”. O texto fala ainda que os filhos de Pavão e Rafaat eram ainda sócios em uma produtora de eventos e a amizade acontece ainda entre família.

A família solicita que o governo garanta sua segurança, assim como a de suas empresas e pede paz e fim de “derramamento de sangue”.

Veja o comunicado na íntegra:

Após vários boatos que andam circulando pelas redes sociais na fronteira, a família Rafaat, ainda consternada com o acontecido, emitiu um comunicado. Confira:

Leia Também:  Motorista foi um herói: diz passageira que estava no ônibus da Eucatur no momento de acidente com mortes na BR 163

“Nós, como integrantes da família da vítima, muito sentidos com o ocorrido que hoje nos enluta, e com tudo o que vem se sucedendo após o ocorrido, decidimos manifestar que JORGE RAFAAT era um empresário e fazendeiro, gerador de empregos direta e indiretamente, pagador de seus impostos e sem problemas com a justiça paraguaia.

Não acreditamos nos rumores de que o senhor Jarvis Pavão esteja envolvido no ocorrido, considerando que eles eram amigos, assim como seus filhos são amigos, sendo sócios de uma empresa produtora de eventos. Nossa família não quer mais derramamento de sangue, não queremos guerra, e sim, paz para nossa família, nossos funcionários e para toda as famílias fronteiriças.

Só pedimos que o Governo paraguaio garanta nossa segurança e de nossas empresas, a fim de que todas as pessoas que dependem de seus empregos em nossas empresas possam regressar as suas funções e levar suas vidas normalmente”.

Relembre o caso

Conforme mostrado pelo Dourados News, Jorge Toumani Rafaat foi morto emboscada por um grupo de pessoas que portavam fuzis AK 47 e Mag anti-aérea e metralhadoras.

Leia Também:  RIO BRILHANTE: cobrança de dívida deixa mulher ferida após atropelamento

Segundo o jornal ABC Color, o crime é atribuído a Jarvis Chimenes Pavão, também traficante que teria orquestrada a ação junto com integrantes da facção criminosa brasileira PCC (Primeiro Comando da Capital). Na quinta-feira (16), a polícia apreendeu Sergio Lima dos Santos, 34, um dos suspeitos de participar da execução do narcotraficante. Ele teria sido ferido por seguranças de Rafaat durante o ataque.

Já a a advogada de Jarvis Pavão, Laura Casuso, negou que ele tenha ligações com facções criminosas como o PCC (Primeiro Comando da Capital) e afirmou que o cliente mantinha bom relacionamento com Jorge Rafaat, conforme noticiado também no jornal ABC Color.

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

MAIS LIDAS DA SEMANA